Um projecto de:

Lata da Roseta


Autor António Gil
Tipologia Ready-made
Data 2012
Nº de Inventário MF.2012016

Memória Descritiva

Esta peça compõe-se por dois elementos: Um tambor metálico retirado de uma máquina de lavar. Um «ready-made», portanto… o objectivo desta escolha estará justificado adiante; e um artigo de jornal também falsificado, que «explicará» a relação entre o objecto e a Cava de Viriato.

Tratando-se o presente desafio (Museu do Falso), propus-me desde o início tornar evidente a «fraude» associando um local mítico da cidade (Cava de Viriato) a um objecto notoriamente «alienígena» a toda a discussão académica sobre a origem da Cava (que no limite se confunde com a origem de Viseu).

Com uma forte componente irónica, este «ready-made» é arbitrariamente associado a um local da cidade, para ironizar as relações fortuitas e pouco científicas que alguns «curiosos» das ciências humanas estabelecem entre o mito e o facto historicamente comprovado. O autor portanto, opta aqui por mostrar o« gato todo», em lugar de lhe deixar apenas a cauda de fora!

O facto de se tratar de uma peça de aparelho que servia para lavar roupa suja, também terá as suas implicações mas isso já é outra história!...

Falta referir que o tambor metálico terá sido decerto fabricado em série, numa das linhas de fabrico/montagem da marca em causa… Já o «artigo de jornal» foi executado digitalmente e impresso não numa tipografia, mas numa impressora de vulgar computador…



A Falsidade Explicitada

Embora no texto de Catálogo se tente ligar a Cava de Viriato à exploração de um metal precioso, a sua origem é bem menos fantástica. Como escreve o Dr. Pedro Sobral no cromo "A Cava de Viriato", da Viseupédia:

"Singular e monumental, a Cava de Viriato é uma das mais emblemáticas obras de engenharia da terra conservada na Península Ibérica.

Este magnífico monumento começou assim a ser denominado a partir do séc. XVI. Foi uma época em que havia uma necessidade desmedida de afirmação da identidade nacional que veio a ser consubstanciada anos mais tarde com a Restauração. Os heróis da Restauração foram comparados aos Lusitanos e ao seu mítico chefe é então atribuído o maior monumento de Portugal. Podemos afirmar com alguma certeza que este monumento deve corresponder a uma cidade-acampamento (qal´a) de época islâmica, seja da conquista do séc. VIII ou do período de Almansor. Entre os séculos VIII e XI, Viseu foi uma típica cidade de fronteira, ora disputada por cristãos, ora por muçulmanos.

O território entre Douro e Mondego foi domínio islâmico precário desde as conquistas de Musa e Abd al-Aziz em 714 e 715, até à segunda metade do séc. IX. Este domínio só se torna efectivo nos finais do séc. X com as campanhas militares de Almansor (o Vitorioso). (...)"

Toda a informação pode ser consultada na publicação nº01 da Viseupédia.


O Autor: António Gil


info@projectopatrimonio.com | Rua Silva Gaio nº29 3500-203 Viseu | 232 416 473 | 914 323 542
Todos os conteúdos são propriedade exclusiva da ANTROPODOMUS - Projecto Património, Lda.
A sua reprodução total ou parcial é expressamente proibida sem a respectiva autorização.
© ANTROPODOMUS - Projecto Património, Lda. 2012.