Um projecto de:

Uniforme de Milícia Judaica (Retalho)


Autor Teresa Cordeiro
Tipologia Tecido
Data 2012
Nº de Inventário MF.2012012

Memória Descritiva

Para a representação de tão detalhada história era necessário um trapo crível o suficiente para passar por algo com vários séculos de existência. O trapo esse é uma simples amostra, recuperada dos Armazéns de Lanifícios em Mangualde, entretanto fora de negócio. O detalhe esse está no tratamento: para ter um aspecto usado e envelhecido, foi rasgado nos 4 cantos, sendo-lhe feito um rasgão perto do centro da amostra, de forma a reforçar o desgaste que se verificaria num fragmento de um uniforme de milícia do séc. XVII descoberto nos dias de hoje. O tecido foi depois tingido com café e queimado em algumas partes, para ter uma coloração amarelada, normalmente característica deste tipo de peças e foi ainda amarrotado, fazendo refêrencia a um provável descuido e desarrumo de tal peça achada.



A Falsidade Explicitada

Todas as pessoas registadas nesta pequena fábula são parte da história de Viseu no século dezassete. Traços da sua existência foram documentados nos papéis do Arquivo Nacional Torre do Tombo - Fundo do Santo Ofício.

Quisemos recuperá-los, trazê-los para o nosso tempo, ainda que transfigurados pelas diabruras dos autores, imersos em certas manipulações. Porque talvez na diluição dos factos permaneça o essencial. Histórias de resistência e de viagem, que falam dessas experiências, nascidas de nascer diferente.

Sobre Lopo da Fonseca - Lopo da Fonseca foi um mercador e rendeiro cristão-novo de Viseu. Por acção da Inquisição de Coimbra, é preso em 1611. É acusado do crime de judaísmo e após um ano de cárcere, sai em auto-de-fé. É libertado para cumprir a penitência em liberdade1, tal como sua mulher, Helena Nunes.

A família é uma das muitas que em Viseu enfrentará a acção dos inquisidores. Anos antes, tinha sido relaxada em carne sua mãe, Ana da Fonseca. Foi considerada negativa. Porque não confessou nem denunciou. E o castigo do inquisidor era exemplar para quem não aceitasse a reconciliação através da denúncia de outros hereges.

Para continuar a ler, faça download do documento (Falsidade Explicitada #012).



A Autora: Teresa Cordeiro


info@projectopatrimonio.com | Rua Silva Gaio nº29 3500-203 Viseu | 232 416 473 | 914 323 542
Todos os conteúdos são propriedade exclusiva da ANTROPODOMUS - Projecto Património, Lda.
A sua reprodução total ou parcial é expressamente proibida sem a respectiva autorização.
© ANTROPODOMUS - Projecto Património, Lda. 2012.